sexta-feira, 12 de abril de 2013

O Sol chega e é vê-los...

Type / Herriott Grace

Chanel ice cream cone

cherry ice cream cone

Because every woman wants to be photographed standing in front of a beautiful castle holding an ice cream cone and wearing a faux Muppet coat. ???

É ver os cones de ice cream e é vê-las com os ice cream na mão. Hoje perdi a conta às pessoas que me passaram pela frente com estes belos exemplares. Eu não fui uma delas, estou armada em resistente, nada de exageros com os doces, à uma certa linha a manter. Mas que apetece dar uma lambidela bem que apetece. 

Have fun,
M

quinta-feira, 11 de abril de 2013

In the mood of this




Hoje acordei como o tempo - enraivecida, a questão é que não me passou e não fiquei iluminada, como o entardecer.
Não sei se é prática comum das mulheres (ou dos homens,vá), mas quando me agarro às limpezas penso no que devia e no que não devia. Penso na vida, penso nos amigos, na família, no trabalho, no dinheiro ou da falta dele, nos planos traçados, nos planos desfeitos, nas novidades e nas coisas que não tem novidade nenhuma. Resumindo, tive um dia de folga para me matar fisicamente (as minhas costas já se queixam) e psicologicamente.

Não ficando satisfeita, dou por mim a pensar que os meus dias de folga são cada vez mais assim, principalmente estes dias semanais, todos trabalham e eu fico aqui sozinha e a pensar que me apetecia este mundo e o outro. Tenho saudades das minhas amigas, da vida social, das gargalhadas comuns, de uma saída à noite e dos comentários do dia seguinte. No final de contas é isto que se ganha (ou se perde) quando o mundo do trabalho nos bate à porta, sem ele não há sustento, mas com ele não há tantas outras coisas que me fazem uma mulher mais feliz, mais completa. Perdemos tempo precioso das nossas vidas agarradas a coisas que não nos preenchem, a coisas que não reflectem o nosso empenho, a coisas que nos tiram tempo, muito tempo e não nos dá praticamente nada em troca.

Que ninguém me interprete mal, mas tanto sentimento fica por descrever e o melhor mesmo, por vezes, é agarrar na almofada e abafar o grito, que tantas vezes é lançado ao vento e ninguém o escuta, ou percebe. Por isso caminha-se, caminha-se sem saber bem para onde, caminha-se porque parar é morrer, essencialmente, é cagando e andado (perdoem-me a força de expressão). E se o mundo fosse cor-de-rosa como as coisas da minha bebé, não estaria assim, estagnada!

Have Something 

M

Ocorreu um erro neste dispositivo