quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Era mesmo isto

Depois de encontrar as minha paredes pintadas, mais do que uma vez, era mesmo disto que eu precisava.

Buy yourself some time on the couch by letting your kid go all Picasso in a box.:


Have fun,

M


terça-feira, 24 de novembro de 2015

Os atentados

Beautiful Paris ~ in the Rain:

Os atentados em Paris deixaram-nos todos chocados, mais uma vez.
 A primeira vez que me deparei com estes atentados, no 11 de Setembro, fiquei horrorizada, tinha 12 anos, no dia a seguir fazia anos e levei o dia a ver as noticias e aqueles aviões gigantescos a bater nas torres gémeas, eu que nem sabia que elas existiam nunca mais me esqueci da sua existência. Aqui fiquei a conhecer também o que é o terrorismo, uma especie de sensação de medo que certos grupos causam em nome de nada. 
Acredito que haja uma causa, mas não a da religião, não me faz sentido que uma religião que profana paz, acredito mais que sejam pessoas que não sabem fazer acordos que beneficiem ambas as partes, e por isso, fazem as coisas que vemos.

Um atentado tão perto e com dimensões tão fortes provocou uma onda de pânico que nunca tinha visto. Vemos todos os dias noticias em que algum sitio entrou em estado de emergência, metros fechados, jogos de futebol e teatros fechados, museus, concertos, feiras de Natal, tudo estagnado.

Na semana que passou assisti a uma situação destas. Alguém deixou uma mala de viagem encostada a um balde do lixo de rua, os policias passaram e ficaram intrigados. Inspeccionaram a mala, pegaram-lhe para ver se tinha peso, olharam em redor e chamaram reforços. No meio disto reparo que os "monhés" (desculpem mas assim todos reconhecemos de quem estamos a falar) ,das lojas de souvenirs lisboetas, estavam divertidamente a ver esta situação, a gozarem literalmente, até que os policias perceberam que provavelmente era mesmo só uma mala. E é isto, o medo de uma bomba nos lugares mais improváveis e tudo o que aparenta estar perdido pode ser uma presumível bomba e nós podemos ir todos pelos ares.

Só espero que consigam chegar ao cerne da questão, resolver a base dos problemas e encontrar uma politica que deixe todos contentes. Um dia haveremos de conseguir travar estas calamidades.


Paris terror attacks.:


Pray and think,

M

A maravilha da maquilhagem. Ou não.




Comecei a usar o clássico risco preto por volta dos meus 15 anos. Depois passei a usar o rimel, o batom, o blush e por fim uma corzinha na pálpebra, mas só em dias de festa.
Agora com 27 anos e com um trabalho de atendimento ao público, a maquilhagem devia fazer parte do meu dia a dia. Sim, devia. Não a uso diariamente por pura preguiça.

Usar maquilhagem não se prende apenas por usar esfumados, couturing e outras técnicas que todas adoramos experimentar, podemos utilizar apenas o top5 (uma base, um corrector de olheiras/iluminador, rimel, blush e um batom) e a nossa aparência já é outra. Torna-nos mais iluminadas, mais confiantes e até mais felizes. É exactamente nos dias, em que não me apetece tirar o pijama que me maquilho, "levantar o astral", aumentar a minha confiança pessoal é importante para conseguir gerir as minhas emoções e levar o dia a dia, como se tudo fosse perfeito.

Nestes últimos anos tenho tido uma ajuda preciosa. Colegas peritas em maquilhagem que me tem feito estar atenta às mais variadíssimas novidades, graças a elas já comprei a minha base de eleição (Estee Lauder Double Wear), comprei pincéis (que ainda não utilizei a maioria), máscaras, lápis de sobrancelhas e variadíssimas cores de batons (os que tenho usado mais).

A grande batalha que se segue é saber aplicar bem os produtos, principalmente as sombras e o clássico eyeliner (verdadeira dor de cabeça), estou a milhas de me sentir segura ao aplicá-los. Nos dias de festa, faço umas batotas e peço ajuda à minha querida Inês. Por isso, pretendo evoluir um pouco mais nos próximos tempos.

Além dos mais variadíssimos blogs, videos, que nos ensinam imensas técnicas de aplicação e de utilização dos mais vastos produtos, podemos sempre preferir o formato papel. Este mês ocorreu o lançamento do livro Bonita todos os dias, onde se podem encontrar as dicas mais básicas para começar do zero, também podemos acompanhar a autora no seu blog. Chamou-me à atenção por prometer começar do zero. Isso mesmo, não me faz grande sentido ver imensos vídeos de técnicas XPTO se não entendo por onde devo inciar, o que é melhor para o meu tipo de pele, o que devo utilizar em cada ocasião; uma"bíblia" das mulheres modernas.

Outro blog, que me foi sugerido e que acho bastante útil é o Make Down. A diferença é que ela percebe os rótulos, e diz-nos que às vezes o barato é bom, e o caro nem sempre merece o nome que tem. Por vezes, as marcas são boas num determinado produto, mas nem sempre a qualidade se reflecte em toda a gama.

Deixo umas imagens dos dias de menor preguicite.





By Makeaup looks da Inês






Have fun,

M

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Rotinas diárias

Chegamos a alturas da nossa vida em que precisamos de uma infinidade de produtos. Começamos pelo shampoo simples, os cremes corporais são os mais básicos, leites desmaquilhantes, até que..., percebemos que não podemos usar qualquer coisa. Aqui começa uma fatigante batalha para encontrar os tais.
Cabelo: Sofro de uma oleosidade agressiva. Existem várias gamas de shampoos nos supermercados, no entanto, algumas provocam-me graves crises de caspa. Normalmente tenho tendência a utilizar os da herbal purificantes. Mais recentemente descobri o Shampoo Nativa Spa da Boticário, a gama para cabelos oleosos é maravilhosa e deixa-me o cabelo leve e fresco por mais tempo. Como é um produto forte preciso de o alternar com outros de uso frequente. Para finalizar, utilizo um serúm para pontas da Gliss, assim evito a colocação excessiva de amaciador.

Corpo: Não tenho grandes cuidados com o corpo, tento apenas colocar creme depois dos banhos. Elegi o Body Milk da Nivea para peles secas, adoro o aroma e principalmente a textura, é fácil de colocar e no final fico com uma sensação de acabamento sedoso. Quando tenho mais tempo ainda aproveito para exfoliar a pele com o Exfotonic da Loreal.

Face: Eis o que me causa maior preocupação. Não tenho uma pele reactiva e isso ajuda, mas pelo meio, ela pode ser oleosa em algumas zonas e escama em outras. Limpo-a sempre com Gel Effaclar e remato com o tónico da mesma gama da La Roche Posay. Tento fazer uma exfoliação pelo menos uma vez por semana, por agora o escolhido é um da gama Sephora. Quando exfolio a pele finalizo com uma mascara hidratante da Clarins, para peles desidratadas; utilizo-os quando quero dar um boost à minha pele.
 Diariamente, para além da limpeza, utilizo os cremes de dia e noite da Nivea para peles mistas. Gosto bastante do creme de dia, é hidratante e não me deixa a pele cheia de oleos e brilhos, para além disso tem protecção contra os raios solares.
Quando me maquilho, opto por utilizar a Água Thermal da Garnier, tinha experimentado uma amostra da La Roche Posay, e tinha gostado bastante. No entanto o valor também manda, a Água da Garnier faz o seu trabalho impecávelmente, o valor é sensivelmente mais baixo (-10€) e contém muito mais produto (dica da minha Inês).

Olhos: Foi a minha última aquisição, o primeiro creme para os olhos da Caudalie. O hidratante já não chega e para combater as primeiras rugas decidi experimentar este, vamos ver como vai ser.


Lábios e mãos: Não podia faltar o meu adorado Carmex. Quem ainda não experimentou não sabe o que perde, simplesmente bombástico. Já nas mãos utilizo um comum, sempre antes de me deitar e muito durante o trabalho, como mexo constantemente em tecidos torna-se essencial. Ultimamente, também tenho sentido a pele a ficar mais grossa nas extremidades dos dedos e por isso comprei um pincel da Body Shop, com óleo de amêndoas doces.


E os vossos produtos diários? Têm algum favorito? Também sentem cada vez mais a necessidade de tratar da vossa beleza com mais e melhores produtos?







Have fun,

M

Vamos lá inciar.

Monday coffee by Megan Hess Illustration:

domingo, 22 de novembro de 2015

WTF?

Já alguém ouviu a publicidade do site de encontros Second Love? Passo a citar: "Porque flertar não é só para solteiros".Leram bem, um puro incentivo à traição.
Chamem-me antiquada, mas se mandasse na televisão nunca permitiria um anuncio de tal ordem na televisão. Nós sabemos que estes sites existem, onde a moral das pessoas é uma coisa do século passado, escusam é de se pavonearem em horários em que até as crianças podem ver.

Have fun,

M


Domingos em casa

Handwritten Coffee Mug if it requires pants by simplymadegreetings, $11.00:

Have fun,

M

terça-feira, 17 de novembro de 2015

As partidas que a vida nos dá.


Tudo começou à três anos, exactamente por esta altura. A minha tia, fez uns exames devido a uma anemia. Pretendia fazer um check up para tentar engravidar. A minha tia tinha 43 anos nesta altura, tinha finalmente encontrado uma pessoa que a queria para a vida.
Passámos o Natal juntas, sempre adorei passar este dia com ela, este e todos os dias do ano se assim o pudesse. Ela sempre foi alegre, de fácil gargalhada, protegeu-me e aconselhou-me, deu-me colo em todas as minhas crises pessoais, festejou comigo todas as minhas conquistas, fez o primeiro albúm da minha filha e tantas outras coisas que são impossíveis de descrever, apenas sentir.

O resultado chegou, um pólipo de 7cm no colo do recto, cancro e uma promessa de sonhos desfeitos. Nunca tinha presenciado de tão perto esta doença, e apesar de ninguém a merecer, a minha tia era de todas as pessoas a que a menos merecia.
Levamos a vida, um dia de cada vez, não poderia ser de outra maneira.
Fiquei grávida, fomos juntas a consultas, umas minhas outras dela, esteve lá quando soubemos que seria uma menina. Foi a primeira pessoa da minha família a visitar-me, a minha tia e a minha avó. Nós as três, um elo impossível de quebrar.

Em Junho deste ano, chegam os cuidados paliativos, o meu coração parou naquele momento. Era tarde, a consulta já tinha sido à uns dias, custava-me ligar-lhe cada vez mais, custava-me saber noticias, senti-a, senti naquele momento que não podia adiar mais fazer-lhe aquela ligação, tinha saudades dela, e depois daquela crise em que a voz dela se apagou aproveitava para lhe ligar nos meus intervalos, todos os dias. Liguei-lhe, de ferro de passar na mão, senti-me a tremer e ela disse-me, disse-me o que eu não queria ouvir. Era meia noite e eu acho que não dormi nessa noite. Será que ela viveria muito tempo naquela situação?
Na manhã seguinte, no meu pequeno almoço, liguei-lhe mais uma vez. Senti as dores dela no meu telefonema, disse-lhe que gostava muito dela e decidi que me casaria o mais breve possível. Fui à igreja da minha residência, marquei a data mais próxima. A minha tia seria a minha madrinha, estava combinado desde sempre, e a minha tia tinha que lá estar com o seu vestido Fátima Lopez. Tudo isto não me serviu de muito. A minha tia morreu no dia 15 de Junho.

Casei-me dia 25 de Julho como tinha marcado, preparamos um casamento em um mês, fiz enormes cortes, não tive lua de mel, não tivemos um copo de água numa quinta, não tivemos fotografo, não tive muitas pessoas importantes presentes, mas ela sei que esteve.

Passado estes meses, só agora consigo escrever estas linhas mal conseguidas. As saudades apertam, lembro-me todas as noites, em todos os momentos de silêncio, só queria que ela aqui estivesse, presente, só isso.

A minha tia foi uma lutadora, e sei o que ela queria para mim, queria que eu fosse feliz, queria que eu me realizasse. E eu hei-de cumprir-te esse sonho.



Pray and Change for you,

M
Ocorreu um erro neste dispositivo