sexta-feira, 17 de maio de 2013

First Step

Já diz a sabedoria que só se sente a falta/saudade quando não "o" temos, só posso concordar cada vez mais. Desde que me mudei para a capital, e já lá vão 7 anos (arrepios!!!) tenho vindo a desenvolver uma espécie de interesse crescente em tudo o que envolve a agricultura/natureza. Sempre fui meio virada para essas áreas, daí ter seguido o ramo de geologia aplicada ao ambiente, mas isso é outra conversa.
O meu avô era agricultor, e como alentejana que sou a minha família possui uns "bancos de terra" que fazem parte da Reserva Nacional Agrícola, desde miúda que vi os meus país trabalhar com a terra, semear alguns alimentos nas hortas, e até em casa sempre tivemos um quintal com algumas plantas semeadas, até sou do tempo (ahah, pareço a velhinha do anuncio publicitário) em que se apanhava a azeitona com uma vara e uma rede estendida no chão para não escapar nenhuma, e as matanças dos porcos? Definitivamente entrei em modo nostálgico.
A verdade é que se olharmos bem para as revistas sócio-económicas, reportagens de jovens empreendedores, entre outras do âmbito, muito nos leva ao tradicional, ao passado, a ideias pequenas e simples. Quantas vezes não nos deparamos com entrevistas a jovens agricultores? Entrevistas a pessoas que arriscaram mudar de vida? Entrevistas de pessoas que deixaram tudo o que investiram para começar da estaca zero? Ainda à pouco vi uma entrevista de um topografo que se lançou num negócio de surf/natureza e auto-caravanas, não é fantástico? E o que é que uma coisa liga à outra? Talvez o facto de estarmos fartinhos do mundo urbano e industrializado, talvez o facto de presarmos cada vez mais a qualidade de vida e as coisas que não queremos que o tempo deixe para trás.
Acabando as reflexões e demagogias, e porque o crescimento surge com pequenos passos de bébé, lancei-me em algo que já desejava à tempo, plantar ervas aromáticas. Nunca plantei coisa alguma, vá fiz aquela pequena experiência de por o feijão no algodão, mas nem me lembro se brotou alguma coisa, isto é um verdadeiro teste às minha habilidades "jardinísticas". A verdade é que dá imenso jeito ter umas ervas aromáticas em casa, na minha (ou na dos meus pais) sempre houve hortelã, coentros e salsa com fartura, em Lisboa nunca tive nem um canteiro. E uma pessoa sente-se sempre mais inspirada na cozinha se tiver uns certos condimentos para utilizar. 
Numa das minhas recentes visitas ao IKEA deparei-me com uns copos com as inscrições: Basilico (ou Manjericão), Tomilho e Coentro. Nem mais, peguei nos ditos e agora farão parte da minha prova de fogo, em 10 semanas saberei se tenho ou não jeito para a coisa.
FRÖER Conj. jardinagem IKEA Contém tudo o que é necessário para plantar 3 espécies de ervas aromáticas.



Estes custaram apenas 3,99€, mas existem mais variedades, quer sejam de ervas aromáticas ou de flores para embelezar os canteiros. E os vasos lindos que só vê-los. 

FRÖER Conj. jardinagem IKEA
Versão flor por 3,99€

Have fun,

M


1 comentário:

  1. Manter contacto com a terra e com os verdadeiros valores, acho que é muito importante para o nosso desenvolvimento pessoal. Gosto muito da cidade, é mais Vila, porque moro em Cascais, mas não dispenso o contacto com a natureza. É bom seguir o ritmo das estações, o ritmo da natureza, é o que nos mantém ligados à terra e não nos deixa esquecer quem somos. Hoje em dia tudo é muito inside the box, muito clean, muito sem gosto nem sabor, cabe a cada um de nós, lembrar que o importante vem da terra. E percebo perfeitamente as pessoas que largam tudo para começar do zero, é um desejo de liberdade, de voltar a comandar a sua própria vida, sem entraves nem barreiras, simplesmente ao nosso ritmo :)
    Acho que as tuas ervas aromáticas vão ficar fantásticas, ou não viesses tu de uma região onde se conhece o verdadeiro valor das coisas ;)
    Bom fim de semana, e não te esqueças de transmitir esse teu gosto pela natureza ao teu pimpolho ;)

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo